Sociedade

Idoso continua desaparecido há mais de uma semana

• Favoritos: 88


Uma semana depois, um homem de 82 anos continua desaparecido, após ter dado entrada no serviço de urgência do Hospital S. Sebastião, em Santa Maria da Feira. O alerta foi dado horas depois.

Um idoso desapareceu, no último dia 3, quarta-feira, depois de ter dado entrada na Urgência do Hospital S. Sebastião em Santa Maria da Feira, confirmou a PSP de Aveiro a ´O Regional’.
Celestino Pereira Henriques, de 82 anos, é residente em Lobão, Santa Maria da Feira, e, segundo a filha, Gorete Henriques deslocou-se a este serviço de saúde com queixas relacionadas com problemas cardíacos.
“O meu pai foi atendido por uma médica que me disse que ele tinha de fazer vários exames e que teria de esperar ainda umas boas horas. A médica disse-me para eu ir para casa, e que o hospital me avisaria quando ele tivesse alta”, refere a filha do idoso a ´O Regional´. Acrescenta ainda não ter estranhado esta medida uma vez que é recorrente nos episódios de urgência quando ali se desloca com os progenitores. “Vou para casa e depois eles pedem para o ir buscar, que já teve alta”. Mas desta vez a chamada foi diferente. “Ligaram-me às duas da tarde a informar que ele tinha fugido do hospital e que não sabiam dele”.
O alerta do seu desaparecimento “só foi dado à PSP horas depois”, numa altura em que o idoso já estava a ser atendido e tinha já realizado exames médicos. “Eles só se aperceberam que o meu pai tinha fugido, quando o chamaram para realizar novos exames”.
A família não esconde a preocupação, uma vez que o idoso tem dificuldades de mobilidade e está sem a medicação diária. “Entendemos que há aqui negligência por parte do hospital, já que, com as dificuldades de locomoção do meu pai, ninguém se apercebeu da sua saída, e é estranho ninguém saber onde está, pois ele caminha muito devagar”.

“Procurámos todos os dias por ele”

Gorete Henriques frisa que, a cada dia que passa, vai perdendo a esperança de encontrar o pai com vida. “Procurámos todos os dias por ele. Andamos nisto há oito dias e não conseguimos perceber a sua ausência uma vez que ele tem muitas dificuldades de mobilidade. Não pode estar longe”.
Segundo a PSP, o homem que está desaparecido, tem estatura média, barba branca de alguns dias, cabelo cinzento e curto (em parte calvo) e olhos azuis. Trajava, na altura do desaparecimento, calças de fazenda de cor preta, camisola azul e um casaco preto. Cerca das 22h30, a família fez uma comunicação formal do desaparecimento, na Esquadra Policial de Santa Maria da Feira.
Fonte oficial da Unidade Local de Saúde do Entre Douro e Vouga, em declarações a ´O Regional’, o idoso foi referenciado pelo médico de família do Centro de Saúde de Lobão, “devido a retenção de líquidos e inchaço”. Esta fonte confirma que o idoso chegou à urgência, ao final da manhã, trazido por um familiar, “onde lhe foi disponibilizada cadeira de rodas para maior comodidade, dada a idade, não apresentando problemas de locomoção.
Foi visto pelo médico da equipa de urgência, que solicitou a realização de vários exames complementares”.
A Unidade Local de Saúde do Entre Douro e Vouga recorda que o acompanhamento de doentes no interior do serviço de urgência “é permitido, e está consagrado na lei. Por opção, o acompanhante não aguardou a realização dos exames com o doente no interior da urgência”. Relatam também que o idoso realizou “dois exames”, e quando se esperava a realização de um terceiro, cerca das 13 horas, esta unidade verificou a ausência do utente. “Os profissionais de saúde iniciaram a busca do utente, na área de urgência, bem como áreas contíguas, mas sem sucesso. Cerca das 14 horas, foi, de imediato, feita a participação às autoridades”.

Poderá ter acesso à versão integral deste artigo na edição impressa n.º 3983, de 11 de abril de 2024, ou no formato digital, subscrevendo a assinatura em https://oregional.pt/assinaturas/

 

88 Recomendações
316 visualizações
bookmark icon