Segundo empate consecutivo atira Sanjoanense para o sexto lugar

Segundo empate consecutivo atira Sanjoanense para o sexto lugar

Amarante, 1 – Sanjoanense, 1

Árbitro: Bruno Costa (AF Braga)

Amarante FC: Néné, Cesar, Miguelito, Pedro Nunes, Tiago Silva, Diogo Vila, Marquinhos (Maia 90’), Lamelas (Andrezinho 68’), Romeu, Alex Silva (Diogo 85’) e Muacir
Treinador: Mauro Silva

ADS: Fábio Santos, Cauê, Ken, Almeida (C), Vitor Bastos (Ruben 41’), Matheus, Syszi, Coulibaly, Terrence, Florentino (Bilu 72’), Martin (Caleb 80’)
Treinador: Nuno Costa

Acção disciplinar: Roldan (38’), Terrence (56’), Coulibaly(59’), Diogo Vila – cartão vermelho (90’)

Intervalo: 0-1
A Sanjoanense empatou na deslocação ao Municipal de Amarante na ronda 20 do Campeonato de Portugal. Nos últimos dois jogos, a formação de Nuno Costa perdeu quatro pontos, em dois empates consecutivos, os primeiros frente ao Espinho e agora frente ao Amarante, atirando os alvinegros para a sexta posição do campeonato, tendo sido ultrapassados pelo Paredes.
Um pouco melhor esteve em termos exibicionais esta Sanjoanense, mas no capítulo rematador, e em termos de concretização, tem estado aquém do que se pretende. São muitas as lesões e há quem diga que não se percebe o que se está a passar.
Já foram mais, até porque o Gondomar tem perdido algum “gás”, mas dos sete pontos do primeiro classificado, ainda assim, existe a possibilidade de ombrear com os rivais, mas é necessário e urgente regressar às vitórias, algo que tem fugido aos sanjoanenses.
Com uma primeira parte muito equilibrada, a ADS mostrou um ligeiro crescendo e foi nesse período que, na sequência de um pontapé de canto cobrado por Florentino, a vantagem do marcador chegou pelo golo marcado por Ken.
Decorriam 20 minutos e, no sempre difícil reduto do Amarante, a Sanjoanense adiantava-se no marcador. Ao intervalo: 0-1.
Na segunda parte, o Amarante surgiu com vontade de virar o jogo a seu favor e trouxe maior intensidade e maior pressão. A Sanjoanense não teve medo de expor o seu futebol, enquanto teve pernas, mas, apesar de alguns ataques, nunca incomodou verdadeiramente Néné.
O adversário carregava e, num lance bastante duvidoso, o árbitro Bruno Costa assinalava o castigo máximo, perante os protestos dos de São João da Madeira. Miguelito não desperdiçou e restabeleceu a igualdade aos 63 minutos de jogo.
Até final, a Sanjoanense foi infeliz e quase trazia os três pontos para casa. Nota para um livre direto de Mateus, em cima do minuto 90, que por pouco não garantiu o triunfo, que seria tão bom para as contas da tabela classificativa.

Na próxima jornada, a formação alvinegra recebe o Marítimo B.

António Santos

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  Subscribe  
Notify of