Reversejar

Reversejar

Passagem dos anos
Em teus olhos já não verei
O brilho da mocidade,
Nem por isso esquecerei
Esse teu olhar sem idade.

Olhos negros de carvão
No teu rosto de palor,
Já me olharam com paixão,
Que os meus eram de amor.

Hoje são calmos, serenos,
Já de paixão não serão,
Bondade neles veremos,
E algo de amor ainda terão.

Passaram-se anos, tormentos,
Risos e felicidade,
E também tantos lamentos,
Pois que os senti de verdade.

Hoje há rugas nos teus olhos,
E nos meus espelho dos teus,
Essa a marca dos escolhos;
O brilho? Agora dos céus.

Com o peso da idade
O olhar é mais turvo e profundo,
Esta será a realidade
De quem viu muito do Mundo.
Viu-se o belo, arte, a magia,
Sabia-se onde escolher,
Resta-nos só a fantasia,
A saudade e algum saber.

Quantos mais dias houvermos
Para rebuscar na memória,
Mais anos a revivermos
O que foi a nossa história.

F.S.L.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  Subscribe  
Notify of