Negócios

Mercadona duplica faturação em Portugal em 2021

• Favoritos: 11


A maior cadeia espanhola de supermercados, a Mercadona, alcançou um volume de vendas em Portugal de 415 milhões de euros em 2021, mais 123% do que em 2020, tendo terminado o ano com 29 superfícies, mais nove do que no ano anterior.

A Mercadona aumentou em 21%” as doações de produtos de primeira necessidade a diversas instituições entre elas a Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira.
“A previsão para 2022 é abrir mais 10 lojas em Portugal, tendo em vista a continuidade do seu projeto de expansão no país”, num investimento de 150 milhões de euros, anunciou, esta terça-feira, o presidente da retalhista espanhola, Juan Roig, que prevê um ano difícil marcado pela pressão da inflação e pelos efeitos da guerra na Ucrânia. “O cenário inflacionista atual está a ter impacto na empresa e vai implicar um aumento das despesas em mais de 500 milhões de euros”. Para minimizar este impacto, a Mercadona continuará a apostar na produtividade e eficiência de cada um dos processos para serem cada vez mais competitivos. Um exemplo desta estratégia é a retirada do logótipo da máscara corporativa, iniciativa que por si só gera uma poupança de 400.000 euros por ano.
Os lucros da empresa espanhola, que conta com uma rede ibérica de 1662 supermercados, dos quais 29 em Portugal, caíram 6% o ano passado, para 680 milhões de euros. Face ao aumento de custos, nomeadamente de energia, a Mercadona cortou 100 milhões de euros nas suas margens comerciais.

Juan Roig, presidente da Mercadona, após a Conferência de Imprensa de 2021

Juan Roig explica que em 2022 o plano de investimento da cadeia espanhola irá continuar. “Certamente vai ser um ano muito, muito difícil, que vamos superar aplicando o nosso modelo de qualidade total, que é o nosso farol para navegar neste cenário de incerteza que estamos a viver. Tenho a certeza de que, com o esforço individual e coletivo dos 96 000 colaboradores, vamos conseguir as metas a que nos propusemos”.
A rede de supermercados espanhola revelou também que alcançou em Portugal uma quota de mercado de 3% em 2021 e pagou 62 milhões de euros em impostos através da empresa Irmãdona Supermercados, sediada em Vila Nova de Gaia, terminando o ano com 2500 trabalhadores e um investimento de 110 milhões de euros no país.
Durante 2021, a empresa investiu 1.200 milhões de euros, valor que, somado ao investimento dos três exercícios anteriores, ultrapassa os 5.000 milhões de euros, e conclui que, como resultado deste investimento, finalizou o ano com um total de 1.662 supermercados, após ter inaugurado 79 novos supermercados, nove deles em Portugal, e fechado 58 lojas “que não se ajustavam ao seu modelo de loja mais eficiente e sustentável”.
A Mercadona prevê investir um total de 1.100 milhões de euros em 2022. Entre outras coisas, anuncia a abertura de 68 novos supermercados, 58 em Espanha e 10 em Portugal, e criar mais de 1.000 postos de trabalho “estáveis e de qualidade” na Península Ibérica.
A mesma nota refere que, em 2021, tanto Juan Roig como a vice-presidente da Mercadona, Hortensia Herrero, reforçaram o seu compromisso com a sociedade, ao decidir “reinvestir nela uma parte importante dos dividendos provenientes da sua participação na empresa e do seu património pessoal”. No total, destinaram 100 milhões de euros a diferentes iniciativas, que passam pela formação, desporto, entretenimento, arte, cultura e empreendedorismo, através do Projeto Legado.
A Mercadona dá ainda conta que, devido ao impacto social e económico que a Covid-19 continua a gerar, a cadeia espanhola “aumentou em 21%” as doações de produtos de primeira necessidade para cantinas sociais, bancos alimentares e outras instituições de solidariedade com as quais colabora, atingindo as 20 600 toneladas doadas, 1400 das quais em Portugal.
De referir que a Mercadona doa diariamente bens essenciais à Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira, para dar resposta aos desafios sociais que a instituição enfrenta. Só o ano passado foram doados mais de 70 mi euros em bens alimentares. Todas as manhãs de segunda a sexta-feira, a Misericórdia desloca-se à Mercadona para ali recolher várias caixas de doações compostas por bens essenciais, alimentares e não alimentares.
O  ano passado, entre janeiro e outubro, a rede de supermercados doou 1050 toneladas de alimentos e produtos de primeira necessidade a cantinas sociais, bancos alimentares e outras entidades sociais de Portugal, que correspondem a 17 500 carrinhos de compra. Deste total, 250 toneladas, destinaram-se a entidades sociais do distrito de Aveiro.
Presente em Portugal há dois anos, a Mercadona deverá abrir mais um centro logístico, em Almeirim, prevendo também chegar este ano “ao distrito de Lisboa”, afirmou Juan Roig. À capital, a marca espanhola só deverá chegar em 2023, a manter-se o plano de investimentos. Neste momento, a empresa conta com 2500 trabalhadores em Portugal.
Recorde-se que a Mercadona abriu em S. João da Madeira dia 28 de novembro de 2019, tendo sido o segundo supermercado no distrito de Aveiro e a oitava loja em Portugal, criando um total de 170 novos postos de trabalho no distrito de Aveiro, com contratos sem termo desde o primeiro dia. Atualmente, este distrito tem sete estruturas, das quais quatro estão localizadas na região norte: Santa Maria da Feira, Ovar, Espinho e S. João da Madeira.

 

11 Recomendações
50 visualizações
bookmark icon