Cultura e Lazer

Ruy de Carvalho abre 15ª edição do Festival de Teatro

• Favoritos: 61


Até 23 de abril, serão 20 peças e cerca de 300 atores a subir ao palco, na Casa da Criatividade e nos Paços da Cultura. À exceção da abertura, com “A Ratoeira”, os bilhetes têm um preço único: 4,5 euros.

A 15.ª edição do Festival de Teatro de S. João da Madeira foi apresentada esta semana numa conferência de imprensa realizada na Casa da Criatividade, um dos palcos deste evento, juntamente com os Paços da Cultura.
Por esses dois equipamentos municipais vão passar, de 26 de março a 23 de abril, duas dezenas de peças, levadas à cena por outros tantos grupos de teatro, na sua maioria de S. João da Madeira, mas também dois dos concelhos vizinhos de Oliveira de Azeméis e Santa Maria da Feira.
A abrir o programa estará “A Ratoeira”, baseada numa história da famosa escritora de policiais Agatha Christie que se encontra inscrita no Livro do Guiness como a peça em cena há mais anos. Em palco, à frente de um elenco de qualidade, estará o grande Ruy de Carvalho, que recentemente completou o seu 96º aniversário.

“Educar através do teatro”

Apresentação do Festival de Teatro decorreu na Casa da Criatividade

O festival iniciar-se-á, assim, com um nome maior dos palcos nacionais, “um verdadeiro monstro do teatro português”, como salientou o presidente da Câmara, na sessão de apresentação do evento, assinalando que essa tem sido uma das marcas das diversas edições.
Como lembrou Jorge Vultos Sequeira, socorrendo-se do livro editado pela autarquia com a história do festival, já passaram pelo evento, ao longo dos anos, outras referências do teatro do nosso país, como Vitor Norte, Diogo Infante, Alexandra Lencastre, Maria Rueff ou a companhia Seiva Trupe.
Na sua intervenção, o edil destacou ainda a missão associada ao festival, que é “educar através do teatro”, lembrando que é uma iniciativa que “nasce numa escola” e que, nesta sua 15ª edição, envolve já “cerca de 300 pessoas”, considerando apenas quem sobe ao palco, um número que será bem maior se se incluir os participantes que assumem outras funções.
“Este é um fenómeno de participação cultural e cívica e de envolvimento que é verdadeiramente único”, reforçou Jorge Vultos Sequeira, adiantando que o município vai “continuar a apoiar” o evento, que “está para ficar”.

Evento intergeracional

Cristina Reis, professora da Escola Serafim Leite e representante do projeto Espaço Aberto, já havia enaltecido a parceria com a Câmara Municipal, antes de se referir mais detalhadamente ao programa que irá decorrer a partir de 26 de março, véspera do Dia Mundial do Teatro.
“Teremos a honra de ter em S. João da Madeira um dos atores de maior longevidade do país e, eventualmente, até do mundo”, realçou Cristina Reis, referindo-se a Ruy de Carvalho e aproveitando para afirmar que o próprio Festival de Teatro, embora tendo uma forte participação da comunidade escolar, tem demonstrado que “a longevidade tem lugar plenamente na sociedade”.
A esse propósito, a representante do Espaço Aberto lembrou a participação de grupos intergeracionais como o Cultura Viva ou o Animarte, da Universidade Sénior, que “ano após ano” põem em prática o lema “vale a pena viver”.
Mais uma vez, esses grupos juntam-se aos representantes dos diferentes agrupamentos de escolas de S. João da Madeira e outras entidades do concelho, sem esquecer dias participações dos vizinhos municípios de Oliveira de Azeméis e Santa Maria da Feira.

“Muita motivação”

Reforçando a manifestação de um sentimento de orgulho em relação à parceria com o município que está na base da organização do evento, a diretora do Agrupamento de Escolas Dr. Serafim Leite, Helena Resende, considerou o Festival de Teatro “um dos eventos mais importantes em termos culturais e educativos”.
A responsável realçou “o número de pessoas que se envolvem” nesta iniciativa, com “muito gosto, muita motivação e muito amor por tudo aquilo que fazem”, na expectativa de que “o público se veja e se reveja” nas histórias que levam à cena.
Os bilhetes para os diferentes espetáculos já se encontram à venda, nomeadamente na bilheteira online BOL e nos locais habituais, sendo preço de cada entrada de 4,5 euros, à exceção da peça de abertura, cujos ingressos a 5 e 12 euros para as varandas e os 18 euros para a plateia.
Como é tradição e imagem de marca do festival, a composição gráfica de divulgação do festival, concebida pela Câmara Municipal, volta a centrar-se na fotografia de uma cadeira em palco - desta vez um exemplar clássico do mobiliário da Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira -, como que representado um lugar pronto a ser ocupado pela criatividade dos grupos participantes.

61 Recomendações
180 visualizações
bookmark icon