Opinião

Hortalices - As batatas do senhor Pantaleão

• Favoritos: 31


O senhor Pantaleão era um homem rico. O Quintal era um passatempo e o batatal era o seu orgulho. Agora, tudo arrancado!

O senhor Pantaleão Dias ficou mais morto do que vivo!... O batatal do Quintal de Baixo – a melhor coisinha que havia nas redondezas, estava de pantanas. Durante a noite, ratoneiros encartados haviam colhido as suas batatas, serviço feito com tal esmero que parecia obra de jornaleiro. Almas de trinta diabos! O senhor Pantaleão era um homem rico. O Quintal era um passatempo e o batatal era o seu orgulho. Agora, tudo arrancado! Por quem? Talvez por algum unha negra com a canalha em casa a estourar de fome (“Unhas negras”, de João da Silva Correia, Cap XXI, adapt.).
Esta é uma das poucas “referências agrícolas” em “Unhas negras”. A obra centra-se nas fábricas, nos duros ofícios da chapelaria, nos homens de unhas enegrecidas pelos ácidos da curtição dos chapéus. Lutava-se pela jornada de oito horas, combatia-se a mecanização, receava-se o desemprego para centenas de operários. As escassas referências à atividade agrícola aparecem sempre associadas a gente rica, industriais e comerciantes, com terras e dinheiro para pagar a jornaleiros. No início do século XX, a vila de S. João da Madeira operária era feita de casas humildes, sem quintais nem mordomias.
A provar esta ideia, encontramos outra “cena agrícola”. Numa conversa entre o pequeno industrial senhor Sarmento e o operário Manuel Ferreira, ambos com receio das famosas máquinas que iriam arruinar os pequenos empresários e lançar no desemprego centenas de operários, o industrial tem esta interessante argumentação.
- Eu tenho aí umas leiras que ainda vão dando quaisquer batatitas e uns alqueires de milho. Hei de ver se defendo o tacho. Mas se fosse operário ... Ah! ... Se fosse operário ... fazia como os tecelões de Lancashire, na Inglaterra, quando lá apareceu o primeiro tear mecânico. Punha em pé de guerra todos os meus companheiros, ia com eles à Fábrica Nova, e antes mesmo das maravilhosas máquinas nos reduzirem à miséria, reduzíamos nós as máquinas a sucata. (Cap. VI, op. cit.)
Pensávamos nós que Sarmento aconselharia os operários a cultivar algum quintalório, para subsistirem às greves ou ao desemprego, mas o homem via mais longe: sugerir aos operários que escavacassem as máquinas da Fábrica Nova. Para ele, era uma ótima solução: via-se livre da concorrência. Quanto aos operários…talvez eles pudessem tornar-se vendedores de sucata, ou, na pior das hipóteses, devastarem os batatais do senhor Pantaleão Dias. Na cadeia da Vila da Feira havia lugar para todos.

31 Recomendações
118 visualizações
bookmark icon