Política

Orçamento da freguesia aprovado por unanimidade

• Favoritos: 27


O orçamento da Junta de Freguesia de S. João da Madeira para 2023, superior a 390 mil euros, foi aprovado por unanimidade, com o executivo socialista a acolher duas propostas da coligação ‘A Melhor Cidade do País’ (PSD/CDS/IL)

Na Assembleia de Freguesia de terça-feira, dia 20, o Presidente da Junta, Rodolfo Andrade, destacou que não se prevê “abdicar de praticamente nada” do que foi feito em 2022, sendo que “tem de haver cada vez mais coordenação entre a Junta de Freguesia e a ação social da Câmara”, no sentido de “evitar a duplicação de apoios” e “evitar apoiar que quem não precisa em detrimento de quem precisa”.
O autarca assegurou assim que vai “manter todos os projetos, com o objetivo de os tornar cada vez mais ágeis”. Falou ainda da “abertura da Junta para trabalhar em conjunto”, através das parcerias que têm vindo a ser estabelecidas com outras entidades.
“Vamos ter de reforçar também a formação dos nossos colaboradores”, acrescentou, remetendo para um aumento do atendimento na Junta e na biblioteca de Fundo de Vila, relacionado com o aumento da imigração.
Também há uma verba para equipamentos informáticos, não se tratando de “uma mudança radical”, mas procurando “todos os anos investir um bocadinho” nesta área.
Tendo ouvido a oposição, o executivo decidiu acolher duas das suas propostas, mas deixando-as, de alguma forma, “em aberto”.
Uma tem que ver com uma app para o património, que contenha por exemplo informações sobre toponímia e figuras que lhe dão nome. Sobre isto, Rodolfo Andrade lembrou que o município já tem uma app e talvez possa não se justificar haver duas apps na cidade. Assim, irá “ver a disponibilidade” da Câmara para trabalhar com a Junta e criar um “melhor dinamismo”.
A esta proposta da oposição, o executivo PS acrescentou um passaporte gastronómico e de restauração, que pode ser “um livro físico ou digital”. A ideia é que informe os sanjoanenses e, principalmente, os visitantes sobre os restaurantes que existem na cidade e os respetivos pratos típicos. No entender do presidente, isto “valoriza a restauração” e poderá também estar ligado à app.
A outra proposta da coligação passa por um ciclo de conferências para o setor comercial e empresarial. “Do ponto de vista do objetivo, faz todo o sentido” para o presidente da Junta esta proposta, sendo que o autarca propõe ainda estreitar os laços com a Associação Comercial e Industrial.
Por sua vez, Pedro Neves, da coligação ‘A Melhor Cidade do País’ lembrou que a oposição reconheceu “em vários momentos” o bom trabalho da Junta, que parabenizou quando assim se justificou. Numa cidade “marcadamente industrial e comercial” é importante “não perder o ADN” e pensar que tecido empresarial se quer para daqui a 10 anos, como apontou, mostrando-se também “consciente” das limitações financeiras da freguesia.
“Temos criatividade, temos vontade” e “2023 será um bom ano para a freguesia”, que terá “uma dinâmica nova”, rematou o Presidente da Junta.
A coligação votou a favor do orçamento de 391.896 mil euros, que foi aprovado por unanimidade, mas absteve-se no plano de atividades, que foi votado separadamente.

Poderá ter acesso à versão integral deste artigo na edição impressa de 22 de dezembro ou no formato digital, subscrevendo a assinatura em https://oregional.pt/assinaturas/

 

27 Recomendações
87 visualizações
bookmark icon