Opinião

Hortalices - O caracol e o Vouguinha

• Favoritos: 22


O caracol veio dos lados da Ribeira da Buciqueira, farto de roer ervas daninhas, duras como cornos. Atravessou os campos de milho para chegar às hortas, onde lhe tinham dito que havia tenras hortaliças. Atravessou o milharal com alguma dificuldade. Inesperadamente, apareceu-lhe um monte de pedras com ferros por cima e umas tábuas a atravessar. De repente, sentiu a terra tremer e as pedras a chocarem umas nas outras. Que raio seria aquilo? Mas não teve tempo de pensar, porque, mesmo rente aos corninhos, passaram umas rodas de ferro, ameaçadoras, que o teriam esmagado se estivesse em cima dos ferros.
- Que falta me fazem duas orelhas! Se eu tivesse ouvidos, teria percebido a aproximação deste monstro.
Passado o susto, observou bem aquela trincheira de pedras e ferros e descobriu que havia uns pequenos intervalos, por onde podia passar. Subir aos ferros, nunca! Passou por baixo do primeiro ferro e seguiu em frente, até encontrar outro ferro. Passou-lhe também por baixo. Entretanto, passou de novo a máquina infernal, desta vez, em sentido contrário.  Maldita máquina!
Entretanto, chegou ao talude e começou a subir, lentamente, à caracol. Quando chegou lá acima, encontrou uma couve-penca bem verdinha. Era arriscado! Podia acabar nalguma panela de batatas com bacalhau. Mas nada como tentar. Que couve tão tenrinha!  Estava neste delicioso enlevo, quando um homem de bigode o agarrou pelo casaco, que é como quem diz, pela concha.
- Ah, seu malandreco! O que é que estás aqui a fazer? A roer a minha rica couvinha do Natal !!?”
- É o fim! - pensou o caracol, cujos antepassados haviam acabado quase todos debaixo das botas dos homens.  O hortelão remirou-o, viu a cabeça a encolher para dentro da concha e deve ter-se compadecido.
- Vou devolver-te à natureza. Tiveste tanto trabalho para chegar aqui.
E, sem saber como, o caracol sentiu-se voar por cima daquilo tudo. Que sensação! Aterrou em cima de um monte de ervas fofinhas, no meio do milharal. Lembrou-se então de um velho ditado caracolês, “à primeira qualquer cai, à segunda cai quem quer”, e não hesitou. Apontou os corninhos para o lado da Ribeira da Buciqueira e partiu em direção às tais ervas, duras como pedras.
- Que interessa? Desta já me safei!

(Conto de Natal)

22 Recomendações
36 visualizações
bookmark icon