Sociedade

Pombos multiplicam-se no centro da cidade

• Favoritos: 3 • Comentários: 1


Há muito que os pombos proliferam por vários pontos da cidade. Estão nos telhados, nas janelas de edifícios, na nova praça, nas mesas das esplanadas, e até nos lagos. Populares mostram-se preocupados com o aumento destas aves.

A memória de ver uma criança a correr atrás de pombos faz parte do nosso imaginário e de as alimentar com o pão do lanche também. Se para uns são o símbolo da paz, para outros são verdadeiras “pragas” e um “atentado” à saúde pública.
Em S. João da Madeira, são muitas as vozes que alertam para o aumento destas “pragas” que são fáceis de encontrar nos telhados, nas janelas de edifícios, principalmente junto à renovada praça, nas mesas das esplanadas, e até nos lagos no centro da cidade. Alimentam-se de restos de comida, com milho e pão, pois são ali alimentados por pessoas que fazem questão de conservar esse hábito.
‘O Regional´ questionou, esta semana, um sanjoanense que alimentava estas aves com pão seco, na Rua. António José de Oliveira Júnior. Relativamente à proibição de alimentar estes pombos, justificou, assumindo que o regulamento municipal “proíbe, mas não impede, e que nunca ninguém foi multado”.
Sobre este assunto, a autarquia faz saber que no Regulamento de Resíduos Sólidos e Limpeza Urbana n.º 98/2009,  de 20 de fevereiro, está definido que quem “lançar alimentos ou detritos para alimentação de animais na via pública” fica sujeito a contraordenação.
“As coimas a aplicar nesses casos variam entre os 30 e os 300 euros, se os atos forem praticadas por pessoas singulares. Tratando-se de pessoas coletivas, esses valores podem ir de 60 a 600 euros”.

Poderá ter acesso à versão integral deste artigo na edição impressa de 6 de outubro
ou no formato digital, subscrevendo a assinatura em https://oregional.pt/assinaturas/

3 Recomendações
comments icon1 comentário
1 favoritos
22 visualizações
bookmark icon

Uma opinião acerca “Pombos multiplicam-se no centro da cidade

    Desculpe, os comentários estão fechados.