Cultura e Lazer

Obra sobre presos e prisões políticas de Angra do Heroísmo apresentada na Biblioteca

• Favoritos: 11


A União de Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP) apresentou, na sexta-feira da semana passada (dia 17), na Biblioteca Municipal Renato Araújo, o livro “Os Presos e as Prisões Políticas de Angra do Heroísmo”.

A apresentação esteve a cargo de António Vilarigues, membro do Conselho Nacional da URAP, que falou do processo de escrita do livro, que resultou de “um trabalho coletivo de vários ativistas, de muitas consultas em arquivos e instituições”.
Além disso, abordou o contexto histórico em que a Fortaleza de S. João Baptista e o Forte de S. Sebastião (o “Castelinho”), construções do período filipino, se tornaram prisões políticas do Estado Novo durante 10 anos (de 1933 a 1943) nos Açores, na Ilha Terceira, na cidade de Angra do Heroísmo, conforme informa a URAP em nota remetida à nossa redação.
Por lá passaram 645 prisioneiros políticos, “sujeitos a brutais e violentos interrogatórios na sede da PVDE/PIDE/DGS, lentamente assassinados por terríveis castigos – na poterna, calejão, furnas ou masmorra”. Tudo isto associado a “ausência de cuidados médicos”, “péssima alimentação”, “pressão psicológica”, constantes “vexames a que eram sujeitos por diretores e guardas” provocou a morte naquela cadeia a 8 deles, o mais novo com 21 anos e o mais velho com 59, de acordo com a mesma fonte.
Segundo a URAP, António Vilarigues descreveu a estrutura do livro, mostrou e comentou a lista dos presos políticos localizados em Angra do Heroísmo, fez referências às histórias que nele são contadas e falou ainda sobre temas da vida dos presos políticos, particularizando alguns aspetos daquela prisão. Houve ainda um momento de debate, que se alargou a outras e a outros aspetos da ditadura fascista, segundo indica a organização.
António Vilarigues referiu que o livro tem “um preço muito baixo” (5,00 €), o que no seu entender só possível graças ao apoio do Ministério da Cultura, do Museu Nacional Resistência e Liberdade da Fortaleza de Peniche, do Museu do Aljube e da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo.
Na sessão, estiveram também disponíveis para venda outros livros da URAP, como “Forte de Peniche – Memória, Resistência e Luta” e “Elas estiveram nas prisões do fascismo”.

11 Recomendações
16 visualizações
bookmark icon