Sociedade

Novo Centro Tecnológico do Calçado em setembro

• Favoritos: 1


A ampliação do Centro Tecnológico do Calçado de Portugal (CTCP), de cerca de meio milhão de euros, deverá estar concluída neste verão e as novas instalações, com laboratório de investigação e desenvolvimento, a funcionar em setembro.

A visita decorreu na segunda-feira, dia 13, e Jorge Vultos Sequeira foi acompanhado pela diretora financeira do CTCP, Luísa Correia, além das vereadoras Irene Guimarães e Paula Gaio.
Conforme lembrou a responsável do Centro Tecnológico, a empreitada está incluída num projeto de investimento, no âmbito da CCDR NORTE, que “é do valor de dois milhões de euros”, sendo que a obra em causa “está limitada a 20%, portanto está à volta dos 400 mil euros”.
Contudo, Luísa Correia indica que “infelizmente, já está em quase em meio milhão, mas só os 400 mil euros são financiados” por fundos comunitários.
A ampliação conta com três novas salas de formação “para libertar um bocadinho de espaço” no atual edifício, que “já está a ficar com falta de espaço”. No piso de baixo, haverá um laboratório de investigação e desenvolvimento.
“Estamos a pensar em aumentar o Centro Tecnológico para as áreas de investigação e desenvolvimento, nestas áreas novas de robótica, automação. É isso que se pretende que seja um futuro breve e se consiga realmente expandir”, frisou, acrescentando que também estão a ser admitidas pessoas e remetendo para três doutorados admitidos no âmbito de uma candidatura que “apoia infraestruturas de investigação, sistema cientifico e tecnológico”.
Sobre a conclusão da obra de ampliação, Luísa Correia referiu que já devia ter acontecido, mas a atual conjuntura de falta de materiais e do respetivo preço ainda não o permitiu. “Prevê-se que em finais de julho fique pronta, alguns pormenores serão feitos em agosto, para ver se em setembro já dá para mudarmos para lá”, sustentou.
A diretora financeira lembrou ainda que, contrariamente à que inclui a ampliação do CTCP, a candidatura feita no âmbito do Programa de Recuperação e Resiliência (PRR) já é financiada a 100%.
“O que é muito bom, se não, não teríamos hipótese de fazer um investimento de 4 milhões e meio”, disse remetendo para projetos de bioeconomia e agências mobilizadoras, que serão financiados na totalidade.
Por sua vez, o Presidente da Câmara apontou o calçado como “indústria fundamental para a região e para o país”, congratulando “a constante capacidade de inovação e de antecipação do futuro do Centro Tecnológico, permitindo à indústria colocar-se no mercado global em termos competitivos de forma mais qualificada”.
O autarca sublinhou que o novo edifício é uma “etapa muito importante”, pois contará com um “laboratório físico, que permitirá fazer testes de qualidade, investigação e desenvolvimento, melhorar qualidade do produto e aumentar a capacidade de formação” da instituição.
Uma iniciativa de “arrojo” que Jorge Vultos Sequeira considera “muito importante para a cidade”. “Mais importante, é saber que estão em marcha novos investimentos”, salientou ainda, considerando que o território precisa do investimento em causa.
“Precisamos de nos afirmar como o centro mais importante da indústria do calçado em Portugal e no plano do desenvolvimento e inovação tecnológica, e é esse caminho que estamos a traçar”, defendeu.

Ar­tigo dis­po­nível, em versão in­te­gral, na edição nº 3896 de O Re­gi­onal,
pu­bli­cada em 15 de junho de 2022

6 visualizações
bookmark icon