Sociedade

Rotary debate o papel do médico de Família entre o cidadão e o SNS

• Favoritos: 1


Palestra com a presença do médico Fernando Regateiro

Fernando Regateiro, médico e professor catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, diretor do Serviço de Genética Médica e antigo presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, alertou, durante uma palestra organizada pelo  Rotary Club de S. João da Madeira que  decorreu nas instalações da Universidade Sénior, na última sexta feira,  dia 29 de abril para a importância do médico de família.
Tendo como tema principal “Pós -pandemia e novos paradigmas para a saúde” Fernando Regateiro, abordou um vasto leque de questões ligadas à realidade pandémica que vivemos e à forma como as instituições de saúde e as pessoas responderam ao desafio.
“Entre as muitas ilações a tirar, depois destes dois anos de combate, duas merecem especial relevo a necessidade de um novo modelo de governação hospitalar, colocando o doente no centro dos processos, com o fomento e adoção da governança clínica (foco central na qualidade assistencial) fazendo-a convergir com a governança corporativa (foco na eficiência); as tecnologias da Informação e Comunicação passam a ter um papel estratégico no relacionamento global entre as unidades de saúde e destas e dos seus profissionais de saúde com os doentes, ”refere o Rotary em comunicado.
A terminar, o médico fez ainda sua reflexão na ideia do surgimento de um novo paradigma em que o Médico de Família “assume um papel central” na relação entre o cidadão e o Sistema Nacional de Saúde. “O Cidadão deixa de ser o destinatário do sistema e passa a ser sua parte interessada ativa, enquanto o Médico de Família passa a ser porteiro/guardião do SNS e gestor de saúde e dos episódios de doença do utente”, refere a mesma nota.

14 visualizações
bookmark icon