Política

Sete refugiados ucranianos já estão em S. João da Madeira

• Favoritos: 3


Sete pessoas ucrânianas, que fugiram da guerra, chegaram nos últimos dias a S. João da Madeira, onde têm familiares. São três adultos e quatros crianças, que já se encontram a frequentar escolas da cidade. Mais duas pessoas estão prestes a chegar.

A informação foi avançada pelo Presidente da Câmara Municipal, na reunião do executivo, que decorreu na segunda-feira, dia 7.
A vereadora Susana Lamas, da coligação ‘A Melhor Cidade do País’, quis saber se já há uma coordenação para a atual situação de acolhimento de refugiados, lembrando que “não é uma situação pontual, vai-se prolongar por algum tempo e, portanto, exige planeamento”.
A social democrata perguntou assim o que está a ser feito em termos de habitação, escola, empregos e integração, deixando nota de que para este último ponto fazer uma ligação com o desporto poderá ser uma ideia a pensar.
Na resposta, o Presidente Jorge Sequeira informou que a Câmara “tem estado a acompanhar a situação desde o início” e que têm sido feitos contactos com a comunidade ucraniana em S. João da Madeira.
Segundo o autarca, já chegaram à cidade sete pessoas que fugiram da guerra, entre as quais quatro são crianças e já se encontram a frequentar instituições de ensino sanjoanenses. “Enquanto estavam em trânsito foi feita a articulação com as escolas”, completou.
O município está ainda a trabalhar no que toca aos apoios a estes cidadãos, havendo uma pessoa “praticamente a tempo inteiro a fazer o trabalho de articulação com a comunidade ucraniana”.
Outra articulação que está a ser feita, de acordo com o edil, é nas recolhas de bens, que têm sido levadas a cabo por diferentes instituições da cidade, havendo um ponto de concentração dos mesmos na Oliva. “Por meios da Câmara ou outros” os bens estão a ser levados para Vila Nova de Gaia, onde há um “ponto de conexão”. Segundo apurou O Regional, à margem da reunião junto de fonte municipal, até ontem, quarta-feira, saíram da Oliva para Gaia sete carrinhas com bens doados pela comunidade sanjoanense.
Jorge Sequeira lembrou ainda a reunião feita com as instituições da cidade para monitorizar a situação, bem como a criação de uma linha municipal para apoio a acolhimento de cidadãos ucranianos (926 594 285) e o apelo à cedência de alojamento temporário.
Contudo, não tem sido necessário alojamento, uma vez que os sete cidadãos que chegaram à cidade, bem com os dois que deverão chegar em breve, têm familiares em S. João da Madeira, estando assegurada essa questão.
“Em caso de necessidade, teremos uma resposta mais musculada”, garantiu o Presidente da Câmara, remetendo ainda para os quartos da Oliva Creative Factory que serão utilizados se for preciso.
O munícipio tem ajudado os cidadãos ucranianos que chegam à cidade também na deslocação ao SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) para requisição “do estatuto jurídico criado para esta situação”, estando a ser articuladas respostas para o ensino da língua portuguesa e de emprego, conforme apontou o chefe do executivo municipal.

Ar­tigo dis­po­nível, em versão in­te­gral, na edição nº 3882 de O Re­gi­onal,
pu­bli­cada em 10 de março de 2022

3 Recomendações
8 visualizações
bookmark icon