Região

Busto da Condessa de Penha Longa foi reposto no jardim

• Favoritos: 59


A Condessa de Penha Longa foi homenageada, terça-feira dia 16/11/2021, com a reposição do seu busto no jardim de Condessa de Penha Longa.

António A. Mota,responsável pela realização do busto

Na cerimónia estiveram presentes o Presidente da Câmara Joaquim Jorge, Presidente da Assembleia Municipal Amaro Simões, vereadores da Câmara Municipal, Presidente da Junta de Freguesia Simão Godinho, Presidente da Assembleia de Freguesia de Cucujães, elementos da Junta, Presidente do Colégio da Gandarinha Visconde Vasco Pinto Leite, as crianças do Asilo da Gandarinha que cantaram o hino do Colégio e o escultor António A. Mota, natural de S. João da Madeira e residente em Nogueira do Cravo, responsável pela realização do busto da Condessa de Penha Longa que a retratou com a idade de cerca de 40 anos.
Clementina Libânia Pinto Leite, Condessa de Penha Longa, nasceu a 6 de setembro de 1840 e faleceu a 17/9/1921. Senhora de uma grande fortuna e de um grande coração, afetou parte dos seus bens a crianças desfavorecidas fundando em Cucujães o Asilo da Gandarinha, atualmente Fundação Condessa Penha Longa.
O Asilo da Gandarinha, foi inaugurado a 6 de setembro de 1876, e a 25 de Abril de 1877 foi celebrada a admissão de mais 40 crianças e com esse facto se atingia o número de 100 asilados.
No ano seguinte e na mesma data de aniversário do Visconde da Gandarinha os convidados, segundo as suas próprias palavras, tiveram a satisfação de assistir aos exames e à distribuição de prémios aos alunos e alunas do Asilo.
(A par da educação literária, dos exercícios de ginástica e de outras atividades, as crianças beneficiavam de uma verdadeira formação profissional.
As meninas aprendiam toda a ordem de trabalhos domésticos como era prática habitual naqueles tempos, tais como: fazer meia, escarpear lã, ensaboar roupa, engomar, cozinhar, cortar e fazer roupas brancas e fatos de homem, higiene prática e economia doméstica.
Os rapazes aprendiam a cuidar da sua roupa, receber lições de desenho e geometria, e exercitavam-se em estudos práticos da agricultura, para cujo fim o estabelecimento tinha uma quinta anexa. Havia viveiros onde as crianças se habituam a semear e a cuidar das pequenas plantações. Era curioso ver a delicadeza dos instrumentos agricolas, perfeitamente adequados à idade e constituição dos pequenos agricultores.
Concluidos os 9 anos de asilo, não se imagine que as crianças se vêm abandonadas. Os nobres fundadores, amparavam os seus filhos espirituais, colocando-os de modo que possam por si mesmos exercer as suas aptidões que possuirem. (Do Arquivo Bibliographico, nº. 1)
Actualmente o Colégio da Gandarinha tem as valências: Creche, Escola Pré-primária, Escola primária.

António Augusto Mota

 

59 Recomendações
comments icon0 comentários
0 favoritos
183 visualizações
bookmark icon

Escreva um comentário...

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *