Cultura e Lazer

Biblioteca Municipal há 60 anos de portas abertas à cidade

• Favoritos: 4


A secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural esteve na Biblioteca Municipal Dr. Renato Araújo, no âmbito da comemoração do 60.º aniversário desse equipamento cultural.

Na sua terceira passagem por S. João da Madeira, a secretária de Estado da Cultura marcou presença na Biblioteca Municipal, na comemoração do 60.º aniversário deste equipamento cultural de promoção do livro e da leitura, e deixou claro que os serviços de “proximidade aos cidadãos” que as bibliotecas prestam “são fundamentais à consolidação de comunidades informadas e de um território mais coeso”.
Ângela Ferreira garantiu na cidade uma componente de apoio às bibliotecas púbicas, onde se insere a de S. João da Madeira. “Queremos dotar todas as 230 bibliotecas dos meios tecnológicos mais avançados, ao nível de equipamentos informáticos, software que permita ter estes catálogos integrados e, cada vez mais, ter disponíveis estes seus acervos” a todos os que queiram consultar sem saírem de casa - lembrando o período pandémico que impediu o acesso a estes espaços.
A diretora do espaço cultural começou por salientar que, ao longo destes anos, a Biblioteca tem “sabido acompanhar a evolução natural” e tem conseguido adaptar-se à evolução, inovação e exigência dos tempos.
Com cerca de 63 mil livros disponíveis para consulta, Graça Neves anunciou a “dinâmica” da Biblioteca, que está “sempre aberta aos leitores”, e defendeu que, nos anos 60, este espaço “fixa da por parte da Fundação Calouste Gulbenkian, um marco muito importante”, uma vez que os leitores sanjoanenses passaram a ter acesso a obras selecionadas pela Fundação.

A disponibilização do catálogo online parece também ter marcado a vida deste espaço. “Permitiu que a pesquisa pudesse ser feita de qualquer parte do mundo”.
Esta responsável traçou ainda todo o percurso do equipamento, destacando o Poesia à Mesa, bem como os serviços e ofertas da instituição, desde concursos na corda e clube de leitura ao Prémio Literário João da Silva Correia.
Por sua vez, o Presidente da Câmara de S. João da Madeira evocou o benemérito sanjoanense, enfatizando que a Biblioteca teve origem na doação de Renato Araújo. Jorge Vultos Sequeira lembrou outro antigo autarca – Manuel Cambra – pela “ampliação e reconfiguração” do edifício. Sequeira reconheceu o trabalho de “todos” os funcionários da Biblioteca – atuais e anteriores, aos escritores que aí apresentaram as suas obras, aos artistas que ainda hoje escolhem a Biblioteca para exporem os seus trabalhos e aos responsáveis pelas bibliotecas escolares.
O autarca deixou ainda uma novidade: “S. João da Madeira vai ter uma feira do livro, que já era para ter acontecido, mas que a pandemia impediu”, e que agora avançará em parceria entre a Câmara e a Junta.
A data ficou ainda marcada com a oferta de livros a 20 utentes, sorteados no âmbito de uma nova iniciativa desenvolvida em parceria pelo Município e pela Junta de Freguesia. Trata-se de uma novidade que terá continuidade nos próximos anos, e que teve a sua “estreia” nesta sessão comemorativa, realizada, na última terça-feira, 20 de outubro.

Ar­tigo dis­po­nível, em versão in­te­gral, na edição nº 3863 de O Re­gi­onal,
pu­bli­cada em 28 de outubro de 2021

4 Recomendações
0 visualizações
bookmark icon