Cultura e Lazer

Fotos de Alfredo Cunha sobre o 25 de Abril mostram a vitória do povo

• Favoritos: 30


“A liberdade passou por aqui”pode ser vista na Torre da Oliva, em S. João da Madeira, até dia 31 de agosto com imagens marcantes do 25 de Abril. A exposição contempla imagens já conhecidas e outras inéditas.

As imagens do fotógrafo Alfredo Cunha sobre o 25 de Abril de 1974 integram, desde o último domingo, dia 25, em S. João da Madeira, o que os organizadores apontam como a primeira exposição do autor em telas de grande formato.
“A força do 25 de Abril foi o povo de Lisboa”, disse o reconhecido fotógrafo na inauguração da exposição “A liberdade passou por aqui”, que está patente na Torre de Oliva até ao dia 31 de agosto deste ano, mostrando 60 fotos, em grande formato, do dia que abriu as portas à Liberdade em abril de 1974.
Realçou que “a tensão andou no ar” em muitos desses momentos, assumindo que a adesão popular foi decisiva para o resultado favorável ao Movimento dos Capitães. “Foi a primeira vez que ouvi uma multidão a gritar Liberdade”, disse.
Alfredo Cunha anunciou ainda que tem em mãos um projeto, apadrinhado pela Presidência da República, que visará comemorar os 50 anos do 25 de Abril numa obra que, a partir de cinco dezenas de fotografias suas, contenha testemunhos de 50 Câmaras Municipais, entre as quais a de S. João da Madeira, e ainda 50 textos de pessoas de esquerda e de direita, favoráveis ou não à Revolução dos Cravos. “Será um legado histórico”, enfatizou.
A exposição contempla imagens já conhecidas sobre a revolução e ainda imagens inéditas, num total de 60 registos que, a partir dos negativos originais de 35 milímetros, foram digitalizados em ‘scanner’-tambor e depois sujeitos a impressões em PVC de 60 por 80 centímetros e de 90 por 120.
Para o diretor do Centro de Arte de S. João da Madeira e curador da exposição, Aníbal Lemos, as imagens expostas mostram que Alfredo Cunha “pôs-se ao lado do 25 de Abril”. Destacou ainda que o grande formato aproxima “da ação” daquele dia e considerou que “a densidade do preto e branco leva a percecionar tudo o que estava a acontecer”, rematou
Jorge Vultos Sequeira, presidente da Câmara, referiu que “estas fotos são espólio do município”, salientando também que as imagens são “uma ferramenta pedagógica para ensinar a Liberdade”.
O chefe do executivo sanjoanense vincou que elas “terão de estar em movimento”, indo às escolas e a instituições da cidade, e caso seja solicitado – a localidades vizinhas.

 

30 Recomendações
150 visualizações
bookmark icon