Negócios

Incubadora “Oliva 88” quer “acelerar empresas” na cidade

• Favoritos: 1


A nova incubadora de S. João da Madeira chama-se "Oliva 88" e pretende ser uma "aceleradora de ideias e de empresas na cidade".

Conforme o nome indica, a “Oliva 88” localiza-se perto das instalações da antiga Oliva, na rua da Fundição, num edifício modernizado e que está pronto a utilizar por novas empresas, permitindo, de certa forma, a fixação de pessoas na cidade. 

O mentor do projeto, João Vilaça, destacou que a “aceleradora de ideias e de empresas”, como lhe prefere chamar, se pretende focar na indústria 4.0 e também na digitalização da saúde. 

É uma oportunidade para trazer investidores estrangeiros e nacionais”, indicou, realçando o “atendimento muito personalizado” que o projeto pretende oferecer. “Há pessoas que já nos contactaram para virem para cá”, adiantou. 

Para o empresário, é mais fácil criar um negócio, nos dias de hoje, mas é mais difícil fazê-lo crescer. “É possível, é bom arriscar e, ao mesmo tempo, não é preciso investir tanto, há indústrias em que é possível arrancar com computador, internet e muitas horas a queimar pestanas”, explicou. Segundo o empresário, é possível manter um trabalho e ir criando um negócio a partir de casa. 

No entanto, considerou que “é mais difícil escalar” porque “os salários das multinacionais são bastante acima da média daquilo que os empreendedores vão poder pagar”. 

É tendo em consideração este contexto que a nova incubadora de S. João da Madeira pretende “acelerar” as empresas, criando condições para facilitar a “escalada”. “Uma aceleradora com a ajuda de tentar criar um modelo de negócio e procurar algum capital de risco, e não só em Portugal, é o espaço que eu estou a tentar ocupar com a Oliva 88”, realçou. 

O espaço foi modernizado nos últimos meses e sofreu também as necessárias adaptações ao contexto da pandemia de covid-19. 

João Vilaça referiu que, com a “Oliva 88”, está a tentar fazer na indústria o que fez na sua vida pessoal. Recorde-se que o empresário foi fundador de uma empresa instalada na Sanjotec — Parque de Ciência e Tecnologia de S. João da Madeira, a CreativeSystems. 

Assim, “pensar para onde o mundo vai e investir para daqui a 10 anos” têm sido as linhas orientadoras de João Vilaça. “Falhei muitas vezes, mas acertei algumas e isso faz parte da vida de qualquer empreendedor e empresário”, disse a ‘O Regional’, rematando que “para as coisas correrem bem houve muitas coisas que correram bem”. 

O engenheiro eletrotécnico de formação salientou também que o espírito empreendedor sempre esteve presente na sua vida, sublinhando que “nunca houve ajudas”. “Eu sempre achei que não nasci para ser empregado, mas sim patrão”. 

Conforme esclarece, ser patrão não no sentido de mandar, mas no de assumir os riscos. “Não é melhor, nem pior”, assegurou, acrescentando que “há pessoas que não são capazes de ser empresários”. “Eu gosto do risco, sinto-me bem assim”, sustentou.

Com a pandemia, muitas pessoas têm procurado um espaço para evitar trabalhar em casa e melhor separarem a vida profissional da vida pessoal, também nesse contexto já houve contactos com a nova incubadora. 

Já tive cinco contactos de pessoas que querem um lugar para trabalhar”, informou João Vilaça, que pretende “criar condições para que as pessoas não tenham de ir para o Porto” e possam trabalhar em S. João da Madeira. 

Além de um espaço de coworking, salas de reunião e videoconferência, a incubadora tem ainda estúdios para youtubers e criação de vídeos. 

“Foco empresarial concentrado” de S. João da Madeira pesou na escolha da cidade para instalar a incubadora

Segundo João Vilaça, a “Oliva 88” começará durante o mês de janeiro a “acelerar ideias” em S. João da Madeira. 

A escolha de instalar neste município a incubadora teve que ver com o facto de ser uma cidade com “um foco empresarial e de negócio mais concentrado”. Ainda assim, João Vilaça, que é de Santa Maria da Feira, não considera “que Feira e S. João da Madeira sejam dois sítios diferentes”. 

Por outro lado, pesou na escolha o edifício encontrado, uma vez que o empresário acredita “no urbanismo das pessoas a viver na cidade e irem para o trabalho de trotineta, bicicleta ou a pé e que querem ter um espaço de qualidade”. 

Trabalhar numa grande empresa os anos que tiverem que ser” é o conselho que dá João Vilaça a quem, como ele, se sentir com espírito empreendedor. Para “gradualmente passar a ser empresário” é preciso estar numa empresa com “pessoas que sejam mentores e com quem seja possível aprender”, por exemplo, a comunicar, fazer reuniões e estar perante clientes. 

“Um ecossistema que se está a criar”

O Presidente da Câmara Municipal de S. João da Madeira, Jorge Vultos Sequeira, que visitou recentemente o espaço, considerou que “é um momento muito importante [ter] a primeira incubadora privada” na cidade.

Eu acho muito saudável, é uma concorrência fantástica com a Oliva Creative Factory e a Sanjotec, que queremos transformar em parceria”, realçou o edil.  

No entendimento de João Vilaça, a nova incubadora “não é uma concorrência”, trata-se de “um ecossistema que se está a criar porque, quantos mais espaços existirem, mais oportunidades há para toda a gente crescer”.

O presidente da câmara apontou ainda que “noutros países, as incubadoras privadas são motor do empreendedorismo jovem” e que a “Oliva 88” será um “espaço muito importante para desenvolver o sistema de incubação em S. João da Madeira”. 

Para Jorge Vultos Sequeira, a primeira incubadora privada na cidade torna-se uma “referência na região norte de Portugal”.

comments icon0 comentários
0 favoritos
11 visualizações
bookmark icon

Escreva um comentário...

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *